quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

O vôo.


Não consegui mais olhar pra ela da mesma forma, não se lembrava mais desde quando havia sentido aquilo ,mas, parecia eterno. Enquanto pensava os postes iam passando, as pessoas passavam sem entender o porquê daquela velocidade toda.

Pensando bem, era loucura mesmo, 90km/h em uma estrada coberta de gelo era um chamado ao suicídio, no entanto, era a forma mais fácil e rápida de se distanciar do que ele tentava esquecer, e por mais que ele pisasse no acelerador e ouvisse as batidas do seu coração cada vez mais fortes sabia que aquilo ainda iria durar muitas e muitas noites.

Quando tentou fazer a conversão à direita quase bateu em uma Caravan, o motorista lhe xingou, mas que xingasse mesmo, agora mais nada lhe importava, apenas sentia que não tinha outra opção, sabe aquele momento em que não existe um plano B, e mesmo você não acredita no plano A, esse era o momento.

O plano A foi um verdadeiro fiasco, saiu da sala sem nem se despedir, passou em frente ao diretor ainda esbarrando e ouvindo os sussurros de risadas à suas costas, isso que lhe mais doía, saber que tudo que ele tinha pensado dela era apenas uma projeção do que ele verdadeiramente queria ver, e não da realidade triste e escura.

Sabia que o fim estava chegando, aquele era o ultimo ato de uma vida sem brilho, ato fracassado e finalístico em sua essência, quem sabe eles o entendessem, mas isso era pedir demais, pois , nem ele se compreendia, não sabia se aquilo era certo ou errado e muito menos mensurava as conseqüências do seu ato.

Entrou no inicio da ponte saindo um pouco de traseira, mas o que isso importa, aprumou o carro em direção à parte que julgava menos espessa na barreira de concreto e se foi,voando, apenas voando era o que pensava, e teve apenas tempo de contemplar o rio vindo em sua direção com sua cor cinza fúnebre tão ideal, voando.

8 comentários:

Lucas disse...

da hora, eu me lembro quando eu tinha um layout parecido com esse do blogspot era inicio mas depois eu colocquei um melhor faça o mesmo e enriqueça o seu abraços meu querido bem legal seu blog

Pingo de Leite disse...

Muito envolvente seu texto... Me senti dentro do carro, na pele do personagem, sentindo sua aflição...

Miriã Soares disse...

Ja tive uma fase depre... nem gosto muito de recordar...

Amandla Awetú disse...

Gostei mto.
O rapaz deveria ter procurado um analista. Quando chega nesse nível, a única alternativa é essa mesmo. Por isso, frequentemente, converso com meu analista.

Blog PFA disse...

seu texto faz a gente se sentir dentro do carro, faz com que a gente interaja com o texto. muito bom!

Veiga disse...

escreve mt bem...

parabens

Laís Risuenho disse...

Todos tem momentos desse jeito na vida... o importante é não se jogar pra morte! Na verdade, o mais importante é tirar uma boa lição dos momentos ruins...

Adorei o post!!
=***

Endira disse...

"e por mais que ele pisasse no acelerador e ouvisse as batidas do seu coração cada vez mais fortes sabia que aquilo ainda iria durar muitas e muitas noites."

Que postagem linda, cara!

Vou ver se atualizo o meu antes do Natal.
Estagnação MENTAL hehehe

Beijão, melk ;*****

Boas festas, boas férias \o/